domingo, 20 de abril de 2008

A loucura... (Conto erótico)



A loucura de uma escrava


Ela não queria a sanidade de uma donzela para em seus braços estar. Queria a loucura da cortesã para louca em sua cama ficar.
Seu corpo aquece e se esfria no toque de suas mãos, mãos essas que pareciam brutas, e que se modificou ao pegá-las abruptamente demonstrando o querer de suas mãos que ao tocar surpreendia.

Nesse frenesi enlouquecido, insano, sem limites, barreiras ou fronteiras, era tudo o que ela queria, era o que ele pedia...
Ela quer o poder ter, vê-lo desnudo, sem máscaras mentirosas. Fazer de conta que o mundo não tem pressa. Amar a noite, e ser amada por ele que iracundo se põe a demonstrar em não querer aquele beijo parar..., pedidos alucinados com total retidão, na complexidade entre o censurável e a razão.
Os olhos se penetram, sorrisos desavergonhados expressam a vontade do proeminente desejo. Ele foi longe, seu olhar entranhou de forma aguda, não existe mais limites para eles, o improvável acontece. Entrando em sua íris ele controla seus pensamentos e sentimentos, deixando-a completamente enlouquecida de tesão..., mas quem serás tu homem indelicado, ignóbil que se mostraste pra ela? Seria o não querer ver uma face tão diferente? Sua voz sussurrando em seus ouvidos, sem a menor vergonha de estar aqui ou acolá com a escrava que sua tu coloca-se a gritar. Ela o observa, ele a controla, o ciúme permeia seu pensamento, e nada mais tem limite. Ele a chama no canto, a segura pela mão, fingindo um lugar lhe mostrar, ela avista uma casinha de boneca, pois é ali que ela vai se doar, ele entra, e a segura pelo cabelo e sem a menor cerimônia eles começam a sussurrar, ele, seu dono começa a reclamar, entram assim na casa das bonecas para conversar. Ele não agüenta, e um tapa lhe dá..., ela debocha, ele revoltado está..., Ela desabotoa sua calça, ele chupa seus seios, aperta, morde, entrelaça seus dedos em seus cabelos, que com força se coloca a puxar, ela sorri, exteriorizando a vontade de beijar..., com seu membro completamente duro ele a quer possuir, ela sente, ele suspende sua blusa, e seu corpo vai beijando e sentindo o arrepiar da sua pele ele começa a chupar.
Ela revira os olhos, ela é definitivamente escrava dessa loucura. Ela abaixa, as pessoas fingem não olhar ou perceber a ausência dos dois que loucos estão. Pensa ela: “teria eu perdido o juízo de vez?” fala ele: “quero você para mim, você é minha eu sou seu dono!” ela sorri, e diz que “sempre será”, ela o olha de baixo para cima, ele fecha os olhos, agachada olha para cima de lado enquanto lambe seu dono com a boca macia e molhada, sua língua gira suavemente entre seu pênis que rígido não para de ficar, da ponta até o final, sua saliva escorre e até o final continuará. Com movimentos contínuos e com o palpitar do coração, na rigidez do pênis que louco encontra-se de tesão, ela começa há acelerar. Ele não larga seu cabelo e observa. Ao deliciar-se com seu membro que exposto está, ela se toca, ele a segura, ele não deixa, ele a levanta ainda pelo cabelo e a joga contra a parede de forma forte, e diz que ela o pertence, ele quer mais, mas ela não consegue se mexer, ele levanta seus braços e os segura com força na parede, ele está com ciúmes, ela o quer, ele não para, ele a bate e morde suavemente..., sua vagina se contrai a cada movimento desse homem, ela quer se tocar ou ser tocada, ele continua a não deixar, ele morde, ela quer mais, ela volta a chupá-lo lentamente, saboreando cada gosto, cada gota de esperma que é ejaculada nela com muita vontade... ela o observa pelo reflexo do espelho que na casinha de bonecas tinha, o frenesi continua, ele a segura, ela não tem para onde ir, ela na verdade não quer sair, e ele não deixa. Ele a segura fortemente, e beija sua boca com muita vontade, a recíproca acontece de uma forma calorosa, os braços se envolvem num demasiado abraço e carícias, ele a olha de um jeito que ela adora, ele sabe controlá-la, ele não a toca, quer testar seu limite, ela percebe, entra no jogo, ela não quer sair dele, ela o quer de forma verdadeira, por inteiro, sem restrições, mas ela não pode, tem medo, ele não sabe demonstrar o que quer, ela se põe a pensar, ele se põe a falar, mas ela não tem certeza, de suas palavras, ele não sabe o que ela quer de verdade, então... Eles voltam. Os amigos perguntam onde estavam, um silêncio paira no ar, ele faz questão de mostrar que ele é seu dono, ela quieta só nele confia, só com ele quer estar..., não medem esforços para juntos se entranhar. Ele não para de controlá-la, ela quer mais..., os pensamentos de desejo permeiam seus pensamentos. Eles vão embora..., ela se lembra em seu quarto, masturba-se lentamente contando o momento de seu membro penetrá-la mais vezes. Mas eles enlouqueceram, eles se conhecem pelo olhar, ela sabe como irritar, ela quer tocá-lo, ele quer o seu amor, ela não sabe demonstrar, ela quer os sentimentos dele, e diz que indisposta está, ela acha que sentimentalismo é fraqueza e que não pode demonstrar..., ele então deseja outra boca beijar. Ela não aceita, mais nada há de reclamar, e de um lado e pro outro em sua cama vazia sem conseguir dormir desaba a chorar..., Pois não o terá..., fica ela enclausurada a soberania da loucura que em sua mente entrou e de lá não mais sairá...

Autora: Danielle Georg

2 comentários:

pac2h disse...

Autora Dany gostei muito do modo em que conta este conto erotico e em toda sutileza o faz de forma nao vulgar, porem nos passa todo o desejo do casal e a tristeza da mulher em dominio deste homem, que a deseja mas a deixa em seu termino surpreendente, que mesmo nao quererendo se entregar ao sentimento se poe a sofre na ausencia de seu amado.
Continue assim sempre inspirada em seus contos sensacionais, que nos traz ao entrarmos em seu blog.
Um grande Beijo !!!

Anônimo disse...

e ela nunca o terá, nunca será capaz de segurar...
pois ele faz isto igual com todas e a todas quer igual e age igual.
A forma q te seduz seduz a todas. A todas faz cadelas, a todas quer a seus pés. E todas lhe pertencem não é e nunca será a unica.
E a mentira e a sedução que o envolve sempre permanecerá as mulheres q inocente como tu fostes choraram até descobrires a verdade...
que ele usa a todas... como a usou... como me usou... como usa as mulheres de SP, de BH...
quem manda ser amélia e gostar de apanhar...